quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Férias no Brasil: vale a pena?

Finalmente postando! Meu computador tá todo "bichado" com anúncios e eu não consigo abrir o blogger #todaschora mas hoje estou postando de um tablet (que supostamente comprei pro meu cunhado, mas to usando como se não houvesse amanhã) então consegui aparecer aqui! E o post de hoje tá ~~ polêmico ~~ pra quem tá na dúvida sobre as férias!

Quem leu o post anterior sabe que eu sequer pensava em ficar mais de um ano. Porém nunca subestime uma aupair experiente te dizendo "quando vc chega aqui é diferente". Então acabei estendendo para mais 6 meses e resolvi passar minhas férias no Brasil. Como cada cabeça no seu galho e cada macaco uma sentença, eu resolvi apenas dividir o post em motivos pra ir ou não ir para o Brasil nas suas férias:

Vale a pena ir pro Brasil brasileiro se:

Essa foto contem mensagem subliminar dizendo: vá para o Brasil

- Você tem algum evento tipo "único na vida" lá. Ex: casamento de irmão, formatura da melhor amiga (eu não iria mas enfim), nascimento de afilhado... Coisas assim

- Você vai estender or 1 ano e acha que não vai aguentar de saudade.

- Sua mãe disse que se vc não for ela te deserda (acontece)

- Você vai atacar de muambeira. Tem gente que paga toda a viagem pro Brasil só vendendo coisas por lá.


Motivos pra ficar na Party in the USA


- Viajar pelos EUA. Com o que gastaria de passagem pro Brasil vc viaja muito aqui.

- Viajar pra outros países. Só da no primeiro ano, tem aupair que fez a europa inteira #inveja

- Aproveitar lugares como Hawaii, Flórida ou Califórnia (pra quem não mora na califa como eu, COF COF :P ) e demais lugares onde um fim de semana não é suficiente.

- O Brasil sempre estará lá.


Enfim, não é uma grande lista mas deu pra ajudar na escolha? Eu sou rainha da contradição e então eu aconselho: não passe férias no Brasil! Eu acho perda de tempo e de dinheiro, principalmente. Além de que o momento de retornar de lá vai ser horrivel , com certeza, então evitem ao máximo. Mas não vou julgar quem vai e a prova maior disso é que eu mesma estou indo! Meus motivos pra ir nesse momento são fortes:

- Minha casa. Tô construindo e pre-ci-so ver como ela está, escolher acabamentos, móveis e afins, isso entra no motivo "1 vez na vida"

- Minha mãe e meu pai. Eles não sabem que estou indo, vou fazer surpresa! Sei que eles estão super tristes pensando que não vou.

- Minha sobrinha. Eu vi ela nascer (literalmente) e estarei lá para o aniversário de 1 ano dela :)

- Ajuda dos meus hosts. Eles me deram uma semana a mais de férias, e remunerada! Vou ter 3 semanas no total. Se fosse só 2 eu não iria.

- Época do ano. Vou passar natal e ano novo com minha familia.


Todos esses motivos juntos fizeram com que eu optasse por ir. Se eles fossem isolados eu não iria, mas juntinhos eles viraram uma bola de neve dizendo "vai".

A parte chata, bem chata, é que como meu visto vence em dezembro eu vou ter que renová-lo, o que significa fazer tudo de novo, ir no casv, consulado, correr bastante lá em SP quando eu chegar e só depois ir pra minha cidade. E falando nisso, HELP, I need somebody!

Chego em guarulhos dia 19/12 de manhã e preciso estar no Casv Vila Mariana as 16:30. Preciso de carona!!! Eu pago a gasolina e ate mais, com certeza. No outro dia, 20/12 eu preciso ir no Consulado as 9:40 AM e de lá estar no Congonhas as 15:00. Que puder me ajudar tenha certeza que retribuo o favor, ou quem puder pelo menos indicar um taxista de confiança, qualquer coisa!

No próximo post super dicas sobre a Universal Studios e Warner Studios em Los Angeles!

See you ;)



segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Estender ou não? E por quanto tempo?



Desde que eu resolvi vir para os EUA, quando alguém me perguntava quanto tempo eu ficaria aqui a resposta era sempre a mesma: 1 ano e estou de volta. E eu falava isso com uma certeza absoluta, afinal eu tinha motivos pra ficar só um ano, tinha que voltar pro namorado, pro trabalho... certeza que 1 ano seria mais que suficiente. Nos primeiros meses aqui minha resposta ainda continuava a mesma... Mas "Um belo dia resolvi mudar..."

Eu confesso que não consigo imaginar como é querer voltar antes do tempo. Como já comentei aqui nunca me senti homesick e os meses passaram voando... voaram tanto que eu comecei a me questionar sobre estender ou não. De repente eu já tinha passado 7 meses aqui e não tinha visto tudo o que eu queria, comprado tudo que eu queria... comecei quieta a colocar as coisas na balança. Foram umas semanas de dormir mal, comer mal, trabalhar meio destraída... Será que eu estendo? E se eu me arrepender? E se eu voltar e ficar deprê lá no Brasil pelas coisas que não fiz aqui? Como contar pro namorado e família que eu tava pensando em ficar mais?

Os dias foram passando e eu precisava tomar uma decisão, afinal meus hosts já estavam recebendo emails da Cultural Care avisando que caso eles fossem trocar de aupair deveriam começar a procura logo. Resolvi falar com o namorado e com minha irmã. Eles me apoiaram! Falei com meus hosts e ficou tudo certo: 6 meses de extensão, vou morar nos EUA até Julho do ano que vem :)


O que me levou a estender

- Viajei pouco esse ano. Apesar de passear com meus hosts eu só saí da Califórnia 1 vez! Eu tenho certeza que ia ficar frustrada voltando pro Brasil em Janeiro sem umas viagens a mais.

- Coisas que eu quero comprar #consumista. Eu poupei muito dinheiro até agora. Paguei a viagem do meu namorado pra cá e ajudei também com dinheiro pra nossa casa no Brasil (estamos construindo). Acredite se quiser, eu fui uma aupair que praticamente não comprou roupa e calçado em 7 meses (daí no último sábado resolvi recuperar o tempo perdido hahaha). Maquiagem eu fui comprar faz pouquinho tempo. Além de coisas pra mim eu quero comprar coisas pra minha futura casa :)

- Melhorar meu inglês. É, eu comi mosca esses primeiros meses. Não estudei nada de verdade, não li... e ficar mais um tempinho vai me ajudar.


- Minha casa no Brasil. Ela não vai estar pronta até Janeiro (quando eu voltaria). Quer dizer, vai estar pronta, mas sem móveis, pq eu estaria pobre de marré. Ficando mais tempo eu ajudo meu namorado e compramos os móveis... e quando eu voltar vai ser direto pra minha home sweet home.

Eu acho que o medo de me arrepender depois foi um dos maiores motivos que me fez ficar. Sou dessas que fica ressentida com as coisas que não fez sabe? Me imaginei no Brasil pensando "se eu tivesse ficado, eu teria conhecido tal lugar... eu teria comprado tal coisa..." e não quis isso pra mim. E depois de ver o quão rápido os meses passam eu percebi que 6 meses a mais não seriam tão difíceis.

Só 6 meses?

É... só 6 meses. Pra quem nem pensava em estender, 6 meses é um tempão hehehe. Mas eu ficaria um ano sim, porém eu tenho a casa que estou construindo me esperando no Brasil... e também não queria passar mais tempo do que isso aqui. Eu gosto de passar as datas especiais pertinho do meu namorado e 2 anos longe seria demais pra nós. Acho que mais 6 meses foi a medida certinha. Mas se eu estivesse solteira ou em outro momento do meu namoro, não pensaria duas vezes e ficaria um ano a mais com certeza! Pensar que isso é uma experiência de 1 vez na vida me dá toda a energia para ficar mais tempo. Eu diria que todo mundo que tem uma família boa aqui deveria estender... mas cada uma sabe do seu tempo né, da sua vida no Brasil, da saudade que sente da família...


Na Cultural Care a gente responde umas perguntinhas rápidas pra aplicar pra extensão. Você tem que ter completado os 6 créditos ou 72 horas, ou pelo menos ter um documento dizendo que você vai completá-los até o seu 11o mês. Tem também a taxa que pra 6 meses foi de 367 dólares se não me engano, mas a maioria das famílias paga essa taxa pra aupair (eles recebem um email da agência falando que "seria bem legal da parte deles pagar"). Não sei como funciona se você está indo pra outra família.

Então, se você está na dúvida, eu diria: fique. Porque se chegou a ter dúvida isso já é um sinal de que um lado seu quer ficar. E o Brasil vai estar lá, te esperando, muda a cor de uma parede, vem um vizinho novo, a lojinha da esquina fecha....mas o Brasil está lá.


E confesso que um dos motivos que me levou a passar mais um tempinho aqui foi...

                              

Confesse que esse boy magia derreteu seu coraçãozinho vai! Hahaha.

E nos próximos capítulos... Férias no Brasil, vale a pena?

See ya ;)

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Eu voltei e agora é pra ficar!


Voltei pro blog tá? Mas continuo aqui na terra do fast food... Foi mais de um mês sem postar e I'm sorry por quem segue o blog, mas é que aconteceu taaanta mas taaanta coisa nesse 1 mês e pouco que vocês vão entender assim que lerem as próximas postagens! Então deixa eu começar pelo começo...

No último post eu contei sobre as férias com meus hosts né? As férias com eles foram boas e etc, como vc pode ler aqui , entre outros acontecimentos dos meus 7 meses de EUA. Durante essas férias eu conversei com a minha host sobre se eles teriam outra aupair... afinal estava chegando o tempo deles começarem a escolher. Ela comentou que ia ser muito difícil, pois ano que vem o schedule de trabalho dela vai mudar um pouquinho... e pra quem acompanha meus outros posts sabem que eles são uma família ótima mas um tanto diferente... por isso ela estava preocupada sobre quem seria a próxima aupair, porque eu me adaptei muito bem com eles. Essa conversa deixou um grilo no meu ombro cochichando na minha orelha "E se você estendesse?"

Eu ja estava ficando um pouquinho desesperada pelo tempo ter passado tão rápido e eu não ter feito tudo o que eu queria fazer, comprado tudo que eu queria comprar... e aí a ideia de estender por mais 6 meses começou fazer parte do meu pensamento 24/7... Fiquei numa dúvida enoooorme e entendi quando via as meninas falando sobre isso.... Decidi levar mais a sério e falar com meu namorado e minha irmã. Para a minha surpresa os dois aceitaram e me incentivaram a ficar! Mas minha irmã abriu meus olhos pra uma coisa: minha mãe estava esperando eu voltar, contando os dias... e se eu decidisse ficar era melhor ir pelo menos visitá-los. E conversa vai, dúvida vem, fiquei mais uns dias pensando se isso valia mesmo a pena. Falei com meus hosts e é claro que eles ficaram bem felizes com a possibilidade.

E depois de dias e noites dormindo mal, pensando em ir ou não pro Brasil, ir ou não passar férias no Brasil, comendo mal, trabalhando com preguiça.... eu decidi estender por 6 meses! Mas até chegar lá o caminho foi longo... e junto com a decisão eu também estava na expectativa da chegada do meu namorado dia 28/09!

Esse post foi só pra reviver o blog e bem pessoal, mas fiquem ligados nos próximos capítulos:

- Estender ou não? E por quanto tempo?

- Férias no Brasil: vale a pena?

- Universal Studios e Warner Studios em Los Angeles: dicas

- Disneyland em Los Angeles: como é? o que tem de diferente da outra Disney?

- Everybody comes to Hollywood: dicas de lugares legais e como poupar em Hollywood

- Transporte público em LA: um guia prático que te leva pra todos os pontos turísticos!

- Namorando: finalmente vou falar sobre isso!


Gostaram dos próximos posts? Vem muita novidade e dicas por aí... voltei de vez! Espero postar um por semana mas se der vão ser 2... e me deixem nos comentários dicas, dúvidas e sugestões, sempre!

See you!



quarta-feira, 28 de agosto de 2013

7 meses de EUA e Férias com os hosts

Tirando as teias do blog! Já tinha aberto o blog pra escrever várias vezes... sorry pra quem tava esperando! Mas aí está... e acabei de perceber que hoje completo 7 meses de EUA! Ou seja, contagem regressiva pois só faltam...



Cinco meses .... agora já passei mais tempo aqui do que falta pra eu ir (entenderam?? hahah). Tenho certeza que a cada mês que passa o relógio corre ainda mais. Aliás, o tempo nunca me preocupou por aqui. Eu não tive homesickness, só alguns momentinhos que senti falta de casa mas que não duraram mais de, sei lá, 2 horas talvez. Eu nunca passei a noite chorando, eu nunca pensei em voltar antes, eu nunca me senti mal aqui nos EUA. Queria saber a fórmula disso pra poder passar pra todas, e assim nenhuma aupair teria um dia ruim... mas infelizmente não tenho :( Só sei que sempre tive uma personalidade maleável, tranquila e me adapto fácil a qualquer ambiente. Isso eu já sabia antes de vir e aqui só confirmei. Um dia desses vou fazer um post polêmico sobre quem dá certo e quem não dá sempo aupair :P Just kidding...

Nesse post vou só fazer um resuminho de como estão sendo meus últimos dias, então nada muito especial...


Mês passado minha primeira "amiga de EUA" foi embora.. (beijo Dani :P). Ajudei ela a arrumar as malas e tudo e na hora de dizer tchau eu tava super perdida, porquê nem parecia que ela tava indo embora pra essa terra tupiniquim distante, que parece que só existe nos sonhos da gente. Mas lá foi ela, e percebi que é um ciclo que realmente não para, eu ainda vou dizer tchau pra muitas e logo logo é minha vez também... o sentimento é muito estranho! E não posso dizer que estou ansiosa pela minha vez... eu aqui nos EUA sou meio estranha sabe, não morro de vontade de voltar... também não morro de vontade de ficar... só vou vivendo... e deixa pra Pamella do futuro pensar nisso.

Meu namorado me mandou presente do Brasil *-* Um chinelo Ipanema (que ele comprou achando que era havaianas, mas gosto mais desse mesmo hahaha) e um salgadinho Carambitos que custa 60 cents e eu amo! (adeus alimentação saudável)... mas vocês acreditam que nem comi ainda? Tô guardando pra alguma "ocasião especial". 
Apresento-lhes o Carambitos /foto da net / 

Fui com meus hosts no Mount Wilson Observatory em Pasadena, me senti (again) no Big Bang Theory... o lugar é muito legal e dá de fazer trilhas e tours para ver telescópios gigantes, O Einstein veio visitar esse observatório uma vez... e meus hosts pagaram o tour pra mim! Foi uma tarde cansativa mas valeu a pena sacrificar meu sábado pra passar esse tempo com eles fazendo um programa em família...

Também fui na Ventura County Fair com as meninas daqui um dia e outro com minha host. A feira tinha de tudo e parecia essas festas/festivais brasileiros mesmo, tinha rodeio, premiação pra animais, pavilhão de fotografia, artesanato, agricultura, negócios.. etc... Aproveitei o "evento" pra me permitir um calórico cinnamon roll (bolinho de canela) que eu amo demais!

Dia 18 desse mês saí de casa com minha host pra passar 15 dias fora! Passamos 1 semana em San José, perto de San Francisco que foi mara! Curti hotel (e comida de hotel, que tava delícia mas to cheia de espinhas :/)... piscina com meu baby... um parque que é mistura de zoo/parqe/playground com a host e o baby... um dia em San Francisco com meu baby e minha amiga, mais piscina, shopping, mais regalias de hotel.. trabalhei bastante mas foi um trabalho fácil viu! E daí dia 23 viemos pra casa da Grandma... e eu achando que não podia melhorar.... simplesmente estou de férias com a family aqui! Já rolou passeio de barco, childrems museum, history museum (que minha host pagou uma entrada especial só pra mim, pra eu assistir uma exposição que eu queria)... dormir até as 11 da manhã, jantares delícia da grandma, todos me tratando super bem e eu SÓ DE BOA NA LAGOA. E assim vai ser até esse domingo quando voltamos pra casa. Toda a família da minha host me recebeu super bem... e eu fico até sem jeito de estar aqui fazendo nada, eles pagando os lugares que vamos pra mim... não está contando como férias... AHHHH e ela até pagou um corte de cabelo pra mim! *-* Fomos juntas no salão e ela ainda disse "oooh it is vacation.. dont botter about the costs" ... então não tenho do que reclamar realmente.

Por hoje é isso pessoal! Fica a esperança pra quem só lê coisas ruins sobre o programa que é possível SIM ter uma família ótima... mas não esqueçam de ler meus outros tantos posts com dicas pra isso e blábláblá.

Vou deixar umas fotos dos últimos dias:
Com a colombiana e as brazucas na County Fair
Em San Jose com meu baby


No Exploratorium em San Francisco com meu baby e minha amiga Maria que apareceu ali também :P
indo pro passeio de barco com a family da host


meu bay no barco, fofucho
no museu em Minneapolis vendo fósseis reais!
exposição Maia que a host pagou pra mim :)

domingo, 28 de julho de 2013

Comida Americana - dá pra viver?

To tentando manter o blog mais em dia (o que não tá acontecendo como vocês podem ver) mas gente, os dias tão correndo demaaaais!! E amanhã já completo 6 meses aqui :O Seeeis meses gente, a metade da minha jornada... muito irreal. 

Voltando ao assunto, resolvi falar sobre comida mesmo! Até porque ultimamente tenho reparado bastante nos meus hábitos e até comentei sobre em um post lá no grupão aupair.


Cheerios <3 Jell-o <3 Oatmeal <3 ps. Nunca comi Oreo!

Nesses 6 meses eu não havia me pesado nenhuma vez!!! A balança que tem aqui não tava funcionando e eu fui deixando... aí essa semana me pesei na casa de uma amiga enquanto pesávamos as malas dela porque ela foi embora #todaschora (Beijo Dani!!) e percebi que desde janeiro eu emagreci quase 4kg! Só alegria né? E eu já tinha notado que a minha alimentação mudou pra melhor aqui mesmo... então vou contar o que eu como aqui na minha casa normalmente... e o que eu faço pra não cair na tentação da junk food barateenha dos EUA.

Bom deixa eu contar o antes e o depois pra vocês entenderem, lá no Brasil meu cardápio era assim:

Café da manhã (8h): 1 xícara de Nescau
Almoço (12h): arroz, feijão, macarrão, pão branco com ovo frito, um desses..
Lanche da tarde(3h): pão branco com geléia, bolinho de chuva, algo assim
Lanche da tarde 2 (6h): de novo pão ou bolinho ou biscoitos
Janta (8:30h): feijão com arroz, sopa, alguma massa, um desses
Lanche da noite (10:30h): 1 xícara de Nescau... muitas vezes pastel, biscoitos, etc

Além disso ainda tinha sempre algum chocolate, bala, etc intercalando o meio aí. Pão sempre branco, nada integral, frutas never, leite gordo.

Já nos EUA meu cardápio é quase sempre assim:

Café da manhã (8:30h): 1 bowl de cereal (cheerios ou algo q não seja com açúcar), raramente pancakes, waffles ou omelet
Almoço (12h): 1 torrada com 1 lata de atum ou 1 filé de frango com molho (1 colher de maionese quase sempre) ou 1 torrada com queijo ralado muzzarela e catchup.. o pão sempre integral
Lanche da tarde (3h): 1 pêssego ou 1 string cheese (rolinho de muzzarella) ou 1 torrada ou mingau de aveia
Janta (6h): varia mas raramente massas, geralmente vegetais ou 1 pedaço de pizza ou 1 pedaço de frango
Lanche da noite (9h): 1 xícara de leite fat free puro.

Vejam que diminuiu uma refeição, os horários tão bem melhores, tem fruta, vegetais, o leite é sempre fat free e quando tem massa (raro) é sempre integral. Isso é uma media da semana ta? É claro que eu tenho uma gaveta de doces aqui no meu criado-mudo #quemnunca ... Só que confesso que tem doces aqui de teeempos atrás (tipo da páscoa). 

Mas então, isso é o que EU como, o que eu gosto... acho o leite fat free daqui uma delícia pra tomar puro... adoro atum e filé de frango que são super saudáveis e não consigo mais me imaginar comendo uma pratada de macarrão como eu fazia antes. Mas vamos falar "no geral" agora sobre alguns fatos daqui  EUA :

- Não existe almoço: aqui não existe ter 4 panelas diferentes no fogão (só se for em ocasiões especiais). A palavra chave é praticidade. Meus hosts sempre levam sanduíches de almoço pra eles. Eu me acostumei super bem com isso... 

- Tudo é doce: meu host até me explicou que no período da grande depressão a syrup (calda doce feita de milho) foi o alimento base das famílias porque era algo barato e por isso hoje ainda muitos alimentos possuem syrup na composicão (aupair também é cultura). Portanto: picles é doce, feijão de lata é doce, massa de pizza é doce, catchup é doce, tudo é muito doce! 

- Porções pequenas: na minha família pelo menos nunca vi meus hosts enchendo o prato que nem fazemos no brasil, aquela montanha. As vezes tem uma tigela pequena de algo pra todo mundo dividir.



Mas o que eu vejo é que muitas das famílias comem alimentos saudáveis, por exemplo, na casa das minhas amigas o leite também é fat free e pão integral. Aqui sempre tem refrigerante mas só minha host que toma, porque ela é viciada em cafeína, eu nunca tomo! Sempre tem sorvete também... mas nunca como. Os fast foods existem em todo lugar, a cada esquina e com preços ótimos, mas aí vai de cada uma né gente? Então vou deixar umas dicas aleatórias aqui na esperança de ajudar quem tem ou pensa que vai ter problemas com comida:

- Dê uma lida sobre carboidratos e açúcares e como eles são péssimos pro seu corpo. Depois que eu aprendi que carboidratos são ruins eu como muito melhor! Junk food toda hora nem pensar! No máximo um subway de vez em quando... ainda como vários doces e tal (não to de regime) mas 1000x menos que antigamente

- Peça para os hosts comprarem comida pra você. É claro que não pode abusar, mas é obrigação deles nos dar de comer, né? Eu sempre peço atum e filé de frango pro meu, são fáceis de preparar, saudáveis e matam a fome! Há um aplicativo chamado Our Groceries em que vocês fazem uma lista de compras e compartilham com os outros celulares, nós usamos esse e quando alguém quer alguma coisa é só colocar lá e o host passa comprar.

- Sente falta da comida brasileira? Aqui na west coast tem muito produto americano no mercado, é fácil achar creme de leite, leite condensado, suco Tang, Nescafé... Minha host também comprou feijão preto normal no mercado. Arroz é só fazer também... enfim, é tranquilo.
  


Leite condensado do mercado daqui
Creme de leite daqui





- Antes de gastar 5 obamas num fast food, lembre-se que com 5$ aqui nos EUA dá pra comprar uma blusinha Aeropostale no outlet! Dá pra comprar maquiagem L'oreal! Dá pra comprar um livro! Dá pra comprar um brinco banhado a prata! Dá pra comprar uma calça na Ross! Dá pra comprar 5 coisas na Dollar Tree!!! Então pense bem antes de gastar em fast food (e ainda por cima engordar).

Não gaste pra ficar gorda amiga, just dont!
No fim, eu acho que deve variar muito de família pra família... eu sempre lia que aqui só tem coisa congelada e junk food e na minha casa e de amigas só vi o contrário. E deixa eu dizer que o blog é meu e eu falo o que eu quero hahaha  que a maioria que eu vi reclamando da comida é gente que não se adaptou, tipo "Ai não aguento esse leite", "Não como _____ nem a pau" e essas coisas, então eu queria dizer que sinto muito... mas você deveria ter pensado nisso antes de se mudar para outro país! Eu vivo na boa com a comida que tenho aqui... mudei meus hábitos totalmente e pra melhor. Se você chegou  e o problema é a falta de comida, dê uma explorada no freezer, no armário e se tá desesperador PEÇA PROS HOSTS! Eles "tão aí pra isso", te pagar comida e moradia!

E lembre-se que não é só a barriguinha que você evita cada vez que diz não pra um Big Mac, mas também é o seu colesterol, diabetes, e etc tudo que você está prevenindo! 

And this is the end! Eu acho que esse post tá meio confuso... ahhaha... mas é que eu queria colocar impressões pessoais mesmo nele! Pra outras questões/coisas que eu não falei, perguntem nos comentários please! As vezes eu demoro um pouquinho mas SEMPRE respondo, é só conferir! 



See you ;)

domingo, 7 de julho de 2013

Família "de boa": o que é? Como encontrar?


Gente, considero esse assunto muito importante pra ter um ano de sucesso. Antes de vir eu trabalhei 4 anos em escolas públicas e particulares, e também em escola de inglês, com todas as idades e situações possíveis: desde bebê de 3 meses até adolescentes de 17 anos. Nesse tempo eu tive alunos maravilhosos e outros nem tanto assim... e tive pais de alunos maravilhosos e outros que não quero nem comentar! Mas o meu tipo de pais preferido sempre foram os pais "de boa".



Mas o que são os pais "de boa"? (juro que eu queria outro adjetivo pra usar mas não lembro de nenhum agora). Eu tive alunos cujos pais eram o máximo comigo, levavam presente pra mim em todas as datas, etc... que sonho né? Mas não eram esses os meus preferidos, porque esses eram aqueles que me tratavam muito bem, porém se algo acontecia com o rebento deles a culpa era toda minha e o comportamento mudava então esses não eram os pais legais (legais funciona melhor né?). Os legais eram aqueles que não me levavam nenhum presente, mas me tratavam bem sim, mas sem exageros... e quando a kid caía e ralava o joelho: tudo bem! porque isso acontece... A kid saía no soco com o coleguinha: Ok! é a infância... A kid chegava toda suja de barro em casa: que bom! Sinal que brincou bastante. Esses são os pais legais.

Não que os pais legais sejam relaxados ou desleixados com os filhos, não é isso. Eles apenas não vão surtar se aparecer uma mordida de mosquito no bebê. E era exatamente esse tipo de pais que eu esperava ter aqui nos EUA porque isso significa menos frescura, mais alegria pra aupair.

Logo nas primeiras conversas com minha family por email e skype eles deixaram claro que gostariam que o baby brincasse muito fora de casa, na grama, na terra. Eles disseram com todas as letras que "Não nos importamos se ele comer uma folha, ele está apenas tentando descobrir o mundo". E foi assim quando eu cheguei. Eles não se desesperam quando o baby se machuca (e consequentemente não o mimam demais). O primeiro acidente que tivemos foi no parquinho... meu baby foi correr e mordeu a língua, ficou sangrando. Cheguei em casa e contei pro meu host, obviamente receosa do que ele ia dizer... e ele abriu um sorriso e disse "Uau! Então você tinha sangue na sua boca? Você tá virando um vampiro?? Oh meu deus você é o Drácula *pega o baby e começam a "voar" pela sala*. Depois disso inúmeras vezes ele bateu a cabeça, raspou joelho, cortou boca... (como disse uma amiga: O baby da Pam só está vivo por acaso mas não é verdade tá gente??? Eu fico cada segundo com os olhos vidrados nele sqn zoeira.) Até que semana retrasada algo mais "grave" aconteceu.

Estava eu sendo linda na cozinha terminando um bolo de chocolate as 5 da tarde e meu baby brincando por ali... até que ele sumiu e eu continuei terminando o bolo. Ele SEMPRE vem até o quarto dele, pega brinquedos e volta pra onde eu estou... mas nesse dia a porta do quarto dos hosts estava entreaberta e ele foi dar uma espiada lá... e decidiu fechar a porta. Eu vi que ele estava demorando voltar e vim atrás dele e nada... Quando fui abrir a porta do quarto dos hosts... tava trancada! Ele tinha se trancado lá dentro. Pra quem ainda não sabe essas trancas dos EUA são diferentes e pra aupairs em especial elas são uma M$#@&* porque é muito fácil de se trancar "por dentro" e a aupair bobona que fica pra fora não tem como abrir. E foi isso que meu kid fez. Ai ele começou a chorar desesperado é claro... E eu saí abrindo todas as gavetas do mundo à procura de uma chave que funcionasse e NADA. Tive que ligar pro host vir abrir a porta, mas ainda eram 5:15, ele estava trabalhando. Liguei mesmo assim claro... e ele teve que pedir carona pra chefa dele trazer ele correndo pra casa! (porque meu host tá salvando o meio ambiente e vai de bike trabalhar). Veio host e chefa japa do host aqui... e o baby lá desamparado... aaaand o host não tinha a chave do quarto dele! Tentamos todas as James Bond strategies possíveis, abrir com grampo de cabelo, clips, prego, passar cartão, arrombar (mas não dava pq o baby tava atrás da porta né)... e no fim, depois de 1h a porta finalmente abriu!!! E lá estava o meu baby deitado no chão, xixi passando, cara inchada....

A chefe do meu host ficou olhando pra mim tipo assim "So this is an aupair" 
Pedi mil desculpas pro meu host, falei que eles ainda tinham que me amar porque tinha bolo de chocolate na cozinha, expliquei como "tudo aconteceu rápido" e ele se trancou lá e etc... E tudo ficou bem! Não que o meu host achou isso o máximo e disse "vamos fazer de novo amanhã!"... mas ele ficou dizendo que eu não precisava pedir desculpas at all e pra eu não me preocupar com isso. Depois do jantar ele ligou pra host no skype e contou tudo... ela deu risada da situação também e disse "Wow Sam você já aprendeu a trancar portas?" E todos viveram felizes para sempre.


Esse e o tipo de fechadura aqui em casa, só virar esse pino e tranca!

E é isso que é uma família de boa. Eles sabem que essas coisas acontecem e que eu não posso controlar tudo. Lembro da aupair que queimou algo no fogão e disparou o alarme de incêndio e os hosts falavam que "não confiavam mais nela", ou da que bateu o carro ( e as kids nem tavam junto) e entrou em rematch... podem ser famílias perfeitas mas se você der uma mancada (que nem é culpa sua de repente) eles perdem a confiança em você e isso destrói o relacionamento. A minha família não é perfeita, tem a sujeira... tem a economia na comida (eu como bem aqui... mas né), não são de me abraçar, dar presentes e essas coisas... porém é muito bom saber que não preciso ficar ensaiando no espelho como contar pra host que "arranhei a perna do baby sem querer" ou algo assim... porque ela confia em mim e acidentes acontecem (aliás acontecem muito mais quando a kid tá ao cuidado dos pais, vocês verão! aahahha)

E finalmente dicas de como saber se a família é "de boa":

- Confira o APP e veja se eles falam algo sobre brincar na grama, areia, barro, mar, se são positivos quanto a isso.

- Famílias que tem schedule muito detalhado (tipo: as 8 ler um livro, as 9 cantar, as 10 pular corda) geralmente não são tão "de boa" pois querem controlar cada passo da kid... corra pras colinas.

- Se não tem informação no APP, pergunte! Algumas perguntas que eu faria são:

Qual a importância da natureza no dia a dia dos seus filhos?
Você poderia descrever o que seria um dia ideal de brincadeiras para seus filhos?
Como é a rotina de laundry das kids? (pra ver se eles são mto pirados por limpeza)
Qual o comportamento da sua kid quando ela se machuca?
O que eu devo fazer se a kid se machucar, ralar o joelho por exemplo?
Quais atividades em família vocês fazem no fim de semana?

Vou postar aqui frases diretamente do APP dos meus hosts que deixaram minhas anteninhas ligadas de que eles poderiam ser uma boa família:

He loves to smile at strangers and make them laugh. (já vi que falar com estranhos era ok)

We love to go biking, hiking and walking. (quem faz isso é ok com natureza e machucados)

Our aupair is an adult and thus we trust them to be generally responsible.
We are always looking to learn more about the many cultures in the great world around us.

Our house is comfortable but disorganized (ok que faltou um "very" antes do disorganized, mas deu pra ver que não eram maniacos por tudo no lugar e tal)

We don't mind Sam getting dirty, so going outside and exploring the world will be a basic and ongoing activity. We won't mind if he decides to taste a rock or a leaf and would just ask to make sure he doesn't choke on it. (foi nessa frase que comecei amar minha family).

His parents are looking for someone who can guide that exploration without getting in the way. (ou seja, eles queriam alguém pra acompanhar o baby... se ele caiu ok, ele tem que aprender que o que ele faz tem consequências... )

Enfim...quando meu baby coloca uma ameixa podre que ele achou no chão na boca, minha host não dá um duplo twist carpado pra arrancar o negócio da mão dele ela apenas diz pacientemente que "isso não é de comer"... as vezes ele prova, vê que é ruim e não prova mais ("O que não te mata te fortalece" deve ser a frase preferida dos meus hosts). E isso é very nice, porque eu como aupair não preciso me preocupar a cada segundo com o baby, não preciso ficar na neura de "ele não pode fazer isso porque vai cair" afinal ele tem que aprender... e aprende muito bem viu? Ele é super independente...

E depois dessa bíblia do Rei James só me resta perguntar o que teremos para o próximo post?! Comida americana? Os 6 meses de EUA? Compras? O que vocês querem saber? Me contem nos coments!

See you ;)

sábado, 22 de junho de 2013

Toma lá dá cá: troca de favores com a host family


Esse assunto é um tanto delicado pra muitas meninas, afinal, a linha que separa gentileza exploração é fina e além disso ela varia de família pra família, de aupair pra aupair. 

Muitas acham um abuso colocar aquele copo do host na lava louça, outras fazem muito mais do que deveriam, sei lá, é muito relativo mesmo, por isso vou contar a MINHA experiência aqui na MINHA família e como EU lido com isso, tá?


Com horários

Nos meu primeiro mês aqui eu raramente passava de 35 horas por semana, portanto estava sempre dentro do horário e com folga ainda. Até que um dia a host estava trabalhando em outra cidade e o host tinha um jantar de negócios. Ele ligou pra mim e pediu se eu me importaria de passar das 10h diárias e eu disse que não. Ele não ofereceu extra e eu também não falei nada, era a primeira vez que acontecia e eu queria ver no que ia dar... No outro dia minha host chegou e me deixou de folga durante a tarde, ok, pra mim valeu a pena! Depois disso uma noite eles precisaram de um overnight. Novamente eu aceitei e tudo correu bem. Em "troca" eles me deram outro dia de folga... E valeu a pena de novo! 

meu baby galã
Para você colega que está me achando uma sonsa que está trabalhando a mais de graça, deixa eu explicar melhor: 1) meus hosts não são do tipo que pagariam extra, infelizmente essa é a dura realidade. 2) Eu só tenho 1 baby que não dá trabalho algum 3) PRA MIM, os benefícios que eles me dão em troca valem a pena. 

Porém eu NUNCA passo das 45h semanais... meu baby vai na daycare, então de vez em quando, quando eu faço overnight, ele passa o dia anterior e o dia seguinte na daycare! E eu lá vou reclamar de ter 2 dias de folga pra ter que só dormir com o baby? Não né... Meus hosts também falaram que quando eu começar um curso (ainda não achei, assunto pra outro post) o baby pode ir 2 vezes por semana na daycare, enquanto eu estudo.. então pra mim vale muito a pena um dia ou outro passar um pouquinho das 10h, ter vários dias de folga e ainda ter flexibilidade pra estudar!








































Com a limpeza

Se você mora numa casa limpa, linda e organizada, sorte a sua! Porque você já deve ter lido nos grupos que nem sempre é assim... e minha casa segue a regra geral: não temos housecleaner e a casa é uma sujeira que só. 

Quando acontece do meu baby resolver dormir umas 3 horas na nap... ou quando eu não aguento mais a sujeira da cozinha, eu limpo. Isso acontece lááá de vez em quando... e eu tenho tempo pra limpar todo dia se quiser mas né? Não quero que ninguém se acostume a deixar sujeira pra mim... 

Ás vezes eu tiro a louça da dishwasher, ou coloco lá a que eles deixaram na pia... ás vezes ligo a dishwasher... já limpei a torradeira (tive que esfregar).. raramente varro o chão... se tenho tempo e estou no mood, eu faço! Mas aqui meus hosts são bem desligados sabe... eles não se importam mesmo com a sujeira (só quando não dá mais mesmo). Eu faço isso porque se eu deixo copo na pia, eles também colocam na dishwasher pra mim! Esses dias deixei um copo que eu uso no meu quarto só, que é meu, pra lavar depois e a host lavou pra mim... é como eles me disseram desde os skypes: quem tem tempo faz, se não der beleza. E claro que eu sempre tenho tempo... mas não faço sempre só pra deixar claro que não é minha obrigação... então é assim, aqui é sem crise... quem tá por perto faz as coisas e deu! Algumas vezes a host já fez a laundry do baby (que seria meu trabalho) só porque ela tava por aí e resolveu fazer, simples assim. Ela já passou aspirador no meu quarto porque "A porta tava aberta e achei que você não se importaria" ... se eu não conhecesse ela eu pensaria "Você tá me chamando de porca? tá dizendo que meu quarto tava sujo? você tá espionando meu quarto???" hahahah... mas, como eu já conheço.. sei que foi simplesmente pelo que ela falou mesmo! 

Quando a sala ta aqueeeela bagunça eu dou uma arrumada mais falsa que nota de 3 reais e a host ainda me agradece e acha o máximo... ela também me agradece de fazer a laundry, já pensei em dizer "esse é meu trabalho mesmo, ce sabe né?  Mas preferi ficar no "ooo imagina, de nada!" como se eu fosse a Madre Teresa fazendo um favor mesmo.

E é isso.... quando eu trabalho a mais, ganho mais folga! Se eu limpo a cozinha eles fazem a janta! Arrumo a sala, ela passa aspirador no meu quarto... Assim vamos levando nossa troca de favores... que pra mim funciona muito bem, não me importo nem um pouco de ajudá-los (beeem de leve né) e essas ajudinhas fora de hora me fazem sentir como parte da família.

Não perca nos próximos capítulos: a importância de escolher uma boa família e o dia em que deixei meu baby ficou trancado no quarto!

quinta-feira, 30 de maio de 2013

1/3 do tempo passou! Será o fim da lua de mel?


Quatro meses. Agora só faltam oito. Ou agora faltam só oito. Sabe quando você assiste aquele filme lindo/inspirador/nonsense e tudo que você quer é viver a vida de um dos personagens? Aqui (comigo pelo menos) é assim. Eu vivo uma vida alternativa. No fundo da minha imaginação o Brasil ainda está igual: minha sobrinha ainda é recém nascida, meu pai não fez uma cirurgia do coração, meu namorado não tem nenhuma tatuagem, a mesa da cozinha é a mesma. Mas a verdade é que lá tudo se move: minha sobrinha está já aprendendo a sentar, meu pai tem uma cicatriz grande no peito, meu namorado tem um verso da Ilíada nas costas e a mesa da cozinha - pasmem - é nova.

É assim, você está aqui vivendo na bolha USA, e de repente sua mãe compra uma mesa nova pra cozinha. E você simplesmente não consegue imaginar a cozinha com uma mesa diferente, uma mesa que você nem ajudou a escolher, que você nem sabe se combina com o resto dos móveis... você tenta imaginar mas não dá: na sua cabeça o Brasil é o mesmo e você é uma personagem de um filme de sessão da tarde. Mas aí você percebe que não é só a mesa, tudo já mudou e vai continuar mudando... e já passaram 4 meses.

Mas deixando de lado toda essa minha divagação (que eu acho que só quem é aupair vai entender direito, e olhe lá... hehehe) já foram 4 meses gente!!! (ok já gastei essa tecla né). E foram 4 meses ótimos... eu sinceramente não tenho do que reclamar. Bom, acho que durante esse último mês eu entrei oficialmente num período de transição... deixei de ser novata, pelo menos tecnicamente. Porque eu acho que você nunca deixa de ser novata, sabe? É todo um país, não dá pra absorver tudo em um ano não, nem dois... é simplesmente muita informação. E eu inclusive luto pra ser sempre novata, eu caminho pelo meu bairro pegando sempre uma rua nova, fico admirando as casinhas americanas, as caixinhas de correio, os gramados abertos... tudo pra mim ainda é lindo e novo.

Tecnicamente, esse mês que passou também seria o fim da lua de mel. Seria aquele mês em que a family começa a ficar folgada, em que tudo já caiu na rotina, em que eu canso de ficar aqui... mas 


Well, not with me and not until now! Aqui tudo continua ótimo e eu inclusive diria que está melhorando. Eu estou aprendendo a ser aupair e meus hosts também estão aprendendo a ter uma aupair, então ambos melhoramos a cada dia. Antes do match eu tinha muitas expectativas, que contei num post sobre a família (aqui ) e digamos que 80% deu certo e os outros 20% se ajeitaram também... vou contar o que eu esperava e o que mudou:

Cidade: no match eu achei que ia morar em Ventura... mas meus hosts acabaram alugando uma casa em Oxnard, que é a cidade do lado na verdade.. confesso que Ventura é mais bonita hahah...mas elas são grudadas, então ok (post sobre minha cidade aqui)

Banheiro: eu achei que ia ter um banheiro só pra mim e não aconteceu! O banheiro é ao lado do meu quarto e meu baby toma banho lá... é mil vezes melhor ter banheiro no quarto... mas o meu dá pro gasto, isso é o de menos (já que é só 1 baby).

Schedule: meus hosts não conseguem me dar schedule muito antes! Minha host trabalha na NASA e ela depende do tempo pra poder usar os telescópios e tal... e, fazer o que, eu entendo ela né! As vezes ela é chamada de última hora... aí  eu só sei no dia anterior o que vai acontecer... porém na maioria das vezes acaba mudando pra melhor, então tudo bem... e fim de semana é muito raro eu trabalhar.

Cursos: meus hosts cumpriram isso direitinho... disseram que o baby iria na daycare pra eu poder estudar e é o que está acontecendo! Eu estou livre pra escolher o curso que eu quiser que seja 2 vezes na semana, qualquer horario...BUT como eu sou uma p*** azarada não to conseguindo achar curso, vê se pode... mas a parte deles tá certinha.

Carro: continua como eu já sabia: não tenho nem terei carro. Acho que se eu sobrevivi 4 meses, sobrevivo mais 8... por enquanto consigo carona com as outras aupairs brasileiras daqui, já fui com elas pra Los Angeles, Venice Beach, Santa Monica Píer, Huntington Beach, Hermosa beach, Santa Barbara... Pra ir em grandes lojas pego o ônibus na esquina da minha casa, inclusive esse ônibus passa por tudo na minha cidade, então ok.







Parte da família: meus hosts estão cumprindo. Me convidam pra tudo, tudo mesmo... me levaram pra Death Valley (canyon no deserto do Mojave), Yosemite, me convidaram pra ir pra Ohio mas eu não quis (resultado: fiquei 5 dias de folga e ainda ganhei um gift card do cinema da host, pra aproveitar os dias off!!), hoje a host me convidou pra uma festa que um colega dela vai dar pra namorada, tipo oi??? Hahaha. Me ligam do mercado pra saber o que eu quero... eles não são super afetuosos mas são preocupados comigo e sei que tentam fazer o melhor pra que tudo corra bem e como eu disse está só melhorando, porque eles estão "aprendendo" sobre minhas necessidades, tentam me agradar.... e eu ajudo eles.

 E pra esse post ficar mais gigante do que já está, vou deixar algumas fotos dos lugares que visitei. No próximo post a relação de troca de favores com a família, como lidar!


Host, meu baby na mochila e eu em Yosemite
Santa Monica Píer

Death Valley

Huntington Beach

Hermosa Beach
Thanks to Suélen Breier, que me deu a ideia do post!

See you (:

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Presentes para a host family - aceite a aupoor que existe em você!

Eu já tinha iniciado uma conversa sobre presentes aqui, de quando eu estava começando a pensar nisso, ainda lá no Brasil, meu Brasil brasileiro. Agora que já cheguei, já vi o que deu certo ou não, já passei por aniversário dos hosts e dia das mães, pensei que esse poderia ser um bom assunto! Então vamos lá...

Os meus hosts são assim bem diferentes, digamos, do que os outros hosts que eu conheci por aqui. Já contei aqui um pouquinho sobre eles. Pra quem me pergunta como eles são digo o seguinte: "Sabe The Big Bang Theory? Imagine se o Sheldon casasse com a Amy  tivessem um bebê!" Hahahaha óbvio que eles não são como o Sheldon e a Amy, mas é ao que consigo comparar no momento, os dois são cientistas, são muito inteligentes, são muito práticos, enfim, eles não são de mimimi! E isso me deixou muito em dúvida na hora de escolher presentes, porque eu sabia que hidratante, caipirinha e tal não eram uma opção legal pra minha family. Então vou contar o que eu trouxe e o que aconteceu com meus presentes:

Para o Host: Livrinhos do Kit Embratur (FREE)  sobre esportes e caixinha com 6 porta-copos de madeira do Brasil.(R$25,00) Os livros ele NUNCA nem olhou... os porta-copos eles usam! Foi uma conhecida minha que fez, pintado a mão.

Para a Host: Livrinhos Embratur (FREE)  e cachecol de tricô. (minha mãe que fez) Ela agradeceu bastante, só isso, os livros estão no pacote ainda.

Para o baby: Quadrinho magnético (em torno de R$ 9,00) e Bola Galinha Pintadinha (R$ 10,00), livrinho (15,00) pelo menos esse deu certo! Ele adoooora o quadrinho, sempre pega pra brincar e a bola também!

Para toda a family: Café Pilão, 10 Bombons Sonho de Valsa e Ouro Branco, 1 caixa de paçoquinha. Resultado: Dei o café para uma amiga porque meus hosts não tomam, nenhum bombom foi comido, dividi a paçoquinha com amigas e ainda tem umas 5 no potinho, eles nunca comeram.

Para a LCC: nunca entreguei nada, HÁ!

Vocês podem perceber que 90% dos meus presentes foram deixados de lado! Hahaha. O que me deixa feliz é que pelo menos não gastei tanto (assim como vejo várias meninas fazerem). Mas como todas as meninas dizem "Americano é assim mesmo". Isso não quer dizer que seus hosts te odeiam e planejaram maquiavélicamente (existe essa palavra?) deixar seus presentes de lado ... eles simplesmente não ligam! E claro que sempre vão haver exceções, então fique atenta ao estilo da sua família. Quando eu perguntei aos meus se eles queriam algo do Brasil eles disseram que não, que minha mala estaria muito cheia e não era pra eu me preocupar, mas já vi menina que recebeu resposta tipo "Sim queremos uma havaiana pra cada um da família, somos em 6!" então cuidado com esse tipo de pergunta!

Mas no fim, se eu pudesse deixar uma dica, seria a clichê "Não gaste com isso". Escolha presentes baratinhos... lembrancinhas mesmo... coisas que não vão ocupar espaço na sua mala (essa foi minha principal meta com o cachecol, livrinhos, porta copo, tudo pequeno e leve!). Eu sinceramente acho caro trazer cremes da Natura e Havaianas, mas tudo vai de você e do jeito da sua host family!  Se fosse hoje, eu não teria trazido as comidas...se bem que eu que vou acabar comendo mesmo!


No aniversário do meu host eu imprimi uma foto do meu baby usando uma camisa do host, mexendo no computador do host... escrevi "Happy Bday Dad!!!" na foto, comprei um balão na Dollar Tree e deixei o balão flutuando com a foto na porta de entrada... meu host gostou, agradeceu e ponto final. No dia das mães eu fiz um vasinho como esse abaixo, mas coloquei meu baby pra pintar os grampos de verde e no lugar de planta ou vela eu carimbei o pé do baby e coloquei no meio, como se fosse a flor! hahaha... enfim, pelo menos foi o baby que "fez" a maior parte, a host gostou, agradeceu e ponto final! Eu tinha pensado em dar vale babysitt mas né, deixa pra próxima...

Afinal...



E é isso por hoje... vou me esforçar pra fazer posts mais periodicamente! Aliás, vocês bem que podiam deixar alguma sugestão aí nos comments né?

See you!

domingo, 28 de abril de 2013

Sobre meetings, LCC e 3 meses de USA

3 meses de USA hoje! Já não sou mais tão novata assim... já sei andar sozinha pela cidade... já tá acabando minha fase de lua de mel (ou não, porque tudo continua muito bem!). Homesick não fez parte do meu vocabulário nestes 3 meses e tenho fé que vai continuar não fazendo. Continuo com a impressão da primeira semana: tudo está passando muito rápido...

e assim a gente segue...

Falo com a família umas 2 ou 3 vezes por semana no skype e todo dia no whatsapp, o que facilita muito, eu acho, pra não me sentir homesick. E eu sempre fui assim, desligade, de boa... só preciso ter um momento pra mim e tá tudo ótimo.. nunca fui do tipo que só dorme com o mesmo travesseiro, me ajeito em qualquer canto. Então aqui tenho meu quarto, meus filminhos no Netflix, uns passeios de vez em quando e pronto: me sinto bem. Ainda hoje quando saio caminhar eu penso: gente, eu estou nos Estados Unidos! Estou passeando em Los Angeles, estou tomando leite de galão, estou tomando banho de banheira.. e tento aproveitar cada minutinho dessa movie story que logo será só uma memória. E por mais que a saudade pareça romper o peito de vez em quando eu ainda consigo adorar estar aqui. Então, feliz 3 meses pra mim :)

Na sua primeira semana na família a LCC vem fazer uma visita pra ver como estão as coisas e falar sobre as regras do programa. A minha veio a noite aqui em casa e sentamos na sala eu, ela e meus hosts pra conversar. Ela perguntou como estava a adaptação, a comunicação, se eu estava me dando bem com o baby (nisso ele acordou, veio na sala e correu direto pros meus braços! pensa a minha alegria, bem na frente da LCC hahaa), leu todas as regras do programa na frente dos meus hosts... e foi isso. Os outros meetings foram assim:

#1: Fomos jantar no Applebee's. O meu cluster é dividido em 2 regiões então nunca dá certo de juntar todo mundo e a minha LCC faz 1 meeting pra cada região, então meu grupo só tinha 4 meninas. Comemos, assinamos uma folhinha e voltamos pra casa.

#2: Foi um meeting com aupairs e famílias... um picnic no parque. Foi legal, conhecemos as kids e família umas das outras... só ficamos por lá nada de especial, e chegou uma aupair nova então agora éramos 5! (uau... hahaa)

#3: Esse meeting foi no Sky High é tipo uma academia com camas elásticas gigantes... but.. ninguém quis pular! Eu queria, mas as meninas estavam cansadas (nem todo mundo tem um baby delícia tipo o meu né) e acabamos indo pra um restaurante e fim.

#4: tínhamos 2 opções: ir com a família num picnic ou no minigolf na noite seguinte... não fui em nenhum dos dois! Primeiro porque o picnic foi no dia do MTV Movie Awards e depois porque estava com preguiça e aceitei ficar em casa e trabalhar porque a host precisava sair ... Acabou que no outro dia fui encontrar a LCC na library da minha cidade, só eu, ela e a aupair que tinha faltado também... assinamos a folhinha, conversamos e deu.

Como vocês podem ver meus meetings não tem nada emocionante, até porque somos em poucas aupairs. Quando faltei no minigolf sem avisar minha LCC me ligou a noite pra saber se estava tudo bem e quando ela poderia me ver, mas ela foi de boa quanto à falta. Mas, só faltei um por enquanto... então vamos ver os próximos...

Eu acho que varia muito não pela agência, mas de LCC pra LCC mesmo... pode ter a que não está nem aí se você falta e a que quer seguir todas as regrinhas... então vai de você conhecer a sua LCC e saber o que ela espera de você. Também acho que não tem porque ficar faltando em meeting, afinal boring ou não, é uma oportunidade pra você sair, ver as outras meninas... sei lá, pra mim tudo é válido. Ah, se você precisa faltar porque vai trabalhar, ou não quer perder aula, etc.. acho legal avisar antes, embora eu não tenha feito isso da segunda vez mas né, fica a dica... ahahaha.

See you (=

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Turistando Forever Alone

Como eu me sinto passeando sozinha! ahhaha
Uma das coisas que a gente mais aprende aqui nos EUA é ser independente. A gente já sabe disso quando está pra vir... e esse é inclusive o motivo (ou objetivo, ou o que você quiser chamar) da vinda de algumas meninas pra cá, confesso que era um dos meus: me tornar mais independente. E acontece que na prática essa independência afeta toda a sua vida, não é só fazer a própria comida e lavar a própria roupa, até porque isso todo mundo já faz ou fez ao menos uma vez no Brasil. Chegando aqui você começa a perceber que ser independente significa muito mais do que isso...

No Brasil, apesar de adorar ficar sozinha, eu sempre tinha alguém por perto. Nos últimos dias eu não ia nem na padaria sem ser junto com meu namorado! Eu estava exagerando mesmo... ahaha... mas acho que lá é assim: todo mundo tem o namorado, ou a mãe, ou a amiga, ou a prima... e nunca está sozinho. Sempre tem alguém pra ir no cinema com você, sempre tem alguém pra te levar no show da banda preferida, sempre tem o churrasco com a família no domingo, a carona pra faculdade.... E de repente você está num país estranho onde até esquecer de levar a toalha pro banheiro na hora do banho vira um problemão. Mesmo quando você tem amigas aupairs ou não, não é a mesma coisa que no Brasil: cada uma tem seu schedule, suas aulas, e morar perto aqui nunca quer dizer morar na mesma rua ou bairro (ou cidade, meu caso!). E aí que as oportunidades surgem.... e o primeiro pensamento é: Mas eu vou sozinha??? Como vou fazer??? E se eu me perder??? E por aí vai... Então amiga quero te dizer que existe diversão em passeios forever alone!

Eu fui em poucos lugares sozinha mas sinto que farei isso direto. Vou contar aqui sobre San Francisco e o MTV Movie Awards que eu fui, totally forever alone...

San Francisco

Eu estava na região de San Francisco a trabalho com minha host e ela me deu um dia de folga pra ir pra city.  Num primeiro momento pensei: gente, mas como que vou sozinha? Fiz tudo que é reza procurando nos grupos companhia, mas era uma quinta-feira e meu tempo livre não fechou com o schedule de ninguém... então decidi ir mesmo assim! Peguei o trem de onde eu estava pra estação principal em San Francisco... chegando lá fui perguntando pras pessoas como ir para o Píer 39, o píer mais famoso da cidade, porque sabia que de lá seria fácil ir para os outros lugares. Atravessei a rua, peguei um ônibus, e depois de um tempão desci na entrada do píer! Andei bastante, tirei fotos no estilo da turista lá em cima, e aí eu precisava decidir o que fazer né? Em San Francisco é bem fácil andar de transporte público, e em geral aqui nos EUA sempre que eu peço informações as pessoas são super simpáticas e me explicam muuuito bem. Porém nesse dia eu não tive muito tempo (cheguei no píer quase as 10, tinha que voltar as 6 pra um jantar com os pais da host) então eu fiquei com medo de depender de transporte público tendo que pedir informação. Resolvi pegar um tour bus, esses ônibus típicos de dois andares que passam em todos os pontos turísticos da cidade. Foi caro ($38, as aupoor chora) mas no fim das contas valeu a pena pra mim! Ele passa em 30 lugares da cidade e é do tipo hop-in hop-off, ou seja, você pode descer em qualquer ponto e de 15 em 15 minutos passa um ônibus dessa linha, você pode ficar lá pelo tempo que quiser. Eles dão um mapa com os pontos e também fones de ouvido pra você ir escutando uma gravação guia... é bem legal porque vai falando os filmes que foram gravados nos lugares que você está passando. E assim eu fui, descendo e subindo no ônibus, vendo os casaizinhos, os grupos de amigos e eu sozinha lá... mas aproveitei muito!!! Aproveitei pra olhar cada detalhezinho da cidade sem ter que comentar nada, tendo cada momento só pra mim, e foi bem legal! Passeei no Píer, no Aquarium of the Bay, em um museu de cera (quase morri de medo, bonecos de cera são assustadores, não vá sozinha! hahaha), num jardim japonês liiiindo, na Golden Gate, comi no Bubba Gump Shimp & Co., e passei por muitos outros lugares famosos... só não deu de visitar mais porque eu tinha hora pra voltar. Ah, mas o bus é 24h! Seguem algumas fotos...

essa foi estilo "programar a câmera e sair correndo"

passando na Golden Gate com o tour bus

essa foi estilo "excuse me, could you take a picure of me?"


MTV Movie Awards

Geeeeeeeente. Gente, Gente...... depois dessa já posso dizer que minha experiência californiana já tá completa! Hahahah dá de ver que adorei né? Uma amiga aupair que me falou sobre um site que dá ingressos free para eventos como esse. Nos cadastramos quase um mês atrás e quando chegou perto do dia eu ganhei  o ticket e ela não! Fiquei muito triste, porque esse é o tipo de lugar que o bom mesmo é ir com amigos, pra fofocar, rir, tirar foto né? Fiquei num dilema se ia ou não... de como iria... pesquisei sobre o show: metade dos meus atores preferidos estariam lá! Putz, não dava de perder essa... Resolvi ir! Ia me ralar no transporte público, teria que sair as 6 da manhã de casa toda arrumada (porque não teria como me arrumar lá)... correndo o risco de me atrasar e perder tudo! Mas decidi ir mesmo assim. Já tinha anotado todos os ônibus, trem e etc que teria que pegar pra chegar lá, mas consegui uma carona com outras 2 amigas brasileiras *-* Gente foi muita sorte....eu já estava desistindo. Então até tive companhia no caminho... graças a deus deu tudo certinho... mas chegando lá eram 4 horas pra esperar numa fila forever alone!!! Sem comida, sem celular, praticamente sem banheiro (meio que perdia o lugar na fila indo no banheiro), com frio... e sozinha! Queria chorar, todo mundo com amigas, namorados, fofocando e o tempo passando rápido pra eles... eu não tinha ideia de como funcionaria o show, achei que eu ficaria super longe do palco, mas né! Era um Movie Awards... mesmo sozinha eu ia ter algo pra contar.... E acabou que a espera valeu MUITO a pena, meu lugar era do lado do palco! Grudada no palco! Escorada no palco! De frente pros artistas! Mesmo sozinha curti que nem uma louca gente, gritei muuuito, dei tchauzinho pros artistas (um beijo pro Taylor Lautner que devolveu meu tchau com direito a piscadinha), dancei ao som de Selena Gomez, Snoop Dog (agora é Lion),  e fiz "high five" com o Adam Sandler, Samuel L Jackson, Tom Hiddleston, eeeee peguei na perna delícia do Brad Pitt!!! (Não sou tão assanhada tá, eu queria dar um high five, mas a pessoa baixinha aqui estendeu a mão direto na perna dele... se bem que acho que valeu mais a pena mesmo). Vi tudo de pertinho. AAAh preciso contar que isso graças a um brasileiro muito gente boa, um menino alto pra caramba que estava bem na frente do palco, eu estava atrás no começo, e resolvi pedir pra ele se não podia ir na frente dele (afinal ele ia enxergar do mesmo jeito né haaha) e ele abriu um sorrisão e deixou! Ahhh Brasil, um filho teu não foge à luta :) Se fosse americano duvido que deixava, hahaha... Seguem fotos, quem me achar nas fotos ganha um doce:

Eu não gostava da Selena mas me rendi, a performance foi linda!

Tom Hiddleston seu gaaaato, tinha que ser inglês <333

Chris Evans, Samuel L. Jackson, Tom Hiddleston (meu mais novo amor), o diretor do The Avengers e o Brad
Quando voltei pro carro meus amigos perguntaram: você tá bêbada? De tão eufórica que eu tava! hahaha... Nunca tinha me imaginado num lugar assim... foi pereito ver como funciona o show, os comerciais, toda a preparação, os 15 seguranças que seguiam o Brad Pitt aahahah!

Gente pra finalizar, dicas sobre turistar forever alone:

- Não tenha medo! Olhe suas opções no google maps, informe-se sobre como voltar e meta a cara no mundo!
- Não seja tímida. Eu pedi pra várias pessoas tirarem fotos minhas, e também programei a câmera! hahaha, imagina a cena, programo a câmera e saio correndo pra frente dela, faço uma pose boba e depois volto correndo pegar a câmera! E saio andando feliz como se nada tivesse acontecido...
- Carregue bem o celular, deixe desligado durante a viagem pra polpar o máximo de bateria possível, afinal é só você e você.
- Anote nomes de ruas, de ônibus, de lugares tudo no papel, além do celular.
- Quando for pedir informação, peça para quem está trabalhando em alguma loja, ou famílias, casais, motoristas de ônibus, não dá pra facilitar né
- Tenha dinheiro suficiente pra pegar um táxi se preciso, para uma passagem extra, para qualquer imprevisto, e de preferência no cartão.
- Divida bem o seu tempo para não ficar sozinha na rua de madrugada (sei lá né)
- Aproveite o silêncio. É triste não ter alguém do lado pra ir comentando tudo, mas dá pra sobreviver. Olhe cada detalhe da paisagem, tire fotos de coisas sem sentido que achar interessante, esse tempo será só seu. Converse com estranhos (os amigáveis), de risada sozinha, enjoy!
- Tenha um contato na cidade. Tenha o telefone nem que seja de uma aupair que você nunca viu, ou de um amigo que acabou de conhecer.
- Sempre deixe alguém avisado sobre os lugares exatos em que você está indo (quem assistiu 127 horas??).


Uuuufa gente, cansei! 

See you!

Próximo post sobre meetings com a LCC!

sábado, 30 de março de 2013

Au Pair sem carro - Porque eu sei que amar pé, amor, é lenha!

Ops, 15 dias sem postar, é isso que dá fazer um post sobre viajar com a família no Wall Pair e achar que foi aqui! Hahahah

Então hoje eu vim falar sobre um assunto polêmico, que tem lá suas razões para sê-lo: a aupair sem carro!

Acontece com muitas meninas: entra uma família linda no app, no lugar que você sempre sonhou, a cada linha do perfil deles você se apaixona mais até que chega aquele momento broxante: "Você disponibiliza um carro para a aupair?", e a resposta é Não, ela terá que andar de transporte público.
Isso quebra as pernas de qualquer aupair. Como assim não vou ter carro? Como vou ir para as baladas? O que vou fazer no tempo off? E la se vai uma família pelo ralo...

Eu não tenho carro, nem pra mim, nem pra dividir, nem NADA. Aqui na minha família só a host tem carro, e como ela trabalha em outra cidade e ás vezes passa até 3 dias fora, ficamos eu e o host dad e o baby aqui a pé mesmo! Mesmo assim minha experiência está valendo a pena? SIM. Se eu me arrependo e trocaria por uma família com carro? NÃO. Se eu indico famílias sem carro? NÃO. Eu sei, estou sendo meio controversa... então vou explicar de uma forma mais esquematizada:

Eu escolhi esta família sem carro pra aupair porque:

- minha CNH era recente e eu não pratiquei nada no Brasil, e no fundo eu não queria mesmo ter essa responsabilidade aqui;
- Eu queria cuidar de baby, e desde então já sabia que provavelmente não teria carro;
- Eu conversei MUITO MUITO MUITO com eles sobre como funcionaria com caronas e como era o transporte da cidade. Eles estavam para alugar uma casa e escolheram uma casa pequena só porque é perto do centro e dos ônibus e assim seria mais fácil pra mim;
- Eu passei HORAS no google maps e confirmei que conseguiria ir andando em muitos lugares (em média caminhando 20 minutos);
- Moramos perto de Los Angeles, quase na praia....
- Tenho só 1 kid, meu schedule é fácil, meus hosts são legais, tenho liberdade pra fazer tudo na casa e tudo que eu quiser fazer com o baby (isso pra mim era fundamental)



Chegando aqui, como está sendo na prática não ter carro:

- Tem um parquinho na esquina da minha casa, se estou com preguiça levo o baby ali;
- Se estou animada caminho 20 minutos com ele no carrinho até o centro, onde tem museus, parques, lojas, etc
- Caminho 20 minutos até o Albertsons (mercado grande com starbucks e tal) e Dollar tree, Yoguland;
- Caminho 10 minutos para o Burger King, KFC, Dunkin Donuts, pizzaria, banco;
- Pego um ônibus na esquina de casa e em 5 minutos estou no shopping (Walmart, Target, Ross, etc)
- Vou de bicicleta para a escola (ou para o shopping também) em 10 minutos;
- Se quiser ir para Los Angeles tenho que pegar um ônibus para o metrô, e do metrô desço na calçada da fama. Lá também é fácil pegar o metrô e ir para os parques. Acho que dá entre 20-30 dólares (sai carinho);
- Tenho amigas aupairs que moram pertinho e me dão carona na maior boa vontade (sério), esse fator considero sorte!

A estação de transporte público da minha cidade

Pra quem eu recomendo aceitar família sem carro:

- Se a família é realmente tudo aquilo que você sempre sonhou;
- Se você não vai ter carro porque eles não tem como de disponibilizar um. (Se tem 4 carros na garagem e eles não querem te dar um é mancada!);
- Se a casa for REALMENTE BEM LOCALIZADA, como a minha, que 10 minutos você tá em vários fast foods (gorda haha) ou pode ir de bicicleta pro shopping, é tipo DO LADO do ponto de ônibus, etc;
- Se seu schedule é bem folgado (o que permite você ter um tempo hábil de ir pra escola ou etc usando ônibus, a pé ou bike);
- Se a cidade tem um clima bom! Importante essa! Na wikipedia mostra as mínimas e máximas de temperatura do ano inteiro das cidades, aqui na minha cidade está sempre quente e nunca chove, nunca mesmo;
- Se você é um 0 no volante como eu e não se sente segura dirigindo


Pra quem eu NÃO recomendo, mesmo que tenha amado a família:

- Se você tem seu próprio carro e é acostumada a dirigir no Brasil;
- Se é uma cidade com inverno rigoroso;
- Se é uma cidade longe de cidades grandes e você tem que caminhar bastante até o ônibus;
- Se você não sabe andar de bicicleta! hahahah

Perdendo peso e ajudando o meio ambiente ao mesmo tempo!
Então, a dica principal é: tente encontrar uma família com carro. Embora eu esteja me virando bem, é sempre melhor ter um. Só considere não ter carro se a família realmente vale a pena pra você, mas assim, se vale meeeesmo, se é tudo que você sempre quis, se a família é perfeita, se você não consegue pensar em outra coisa pro seu ano de aupair e se bate com os requisitos que eu falei!!!

Lembrando também que eu dei muita sorte ou sei lá o que de ter uma amiga brasileira que me dá várias caronas e a mexicana que já me deu carona também e hosts que se dispõe a me levar nos lugares (a host sempre me pergunta se eu quero carona pra algum lugar quando to off).

Nos próximos posts história da minha viagem pra San Francisco forever alone e como estão meus estudos! Já completei dois meses de EUA :) Agora estou indo pintar ovos de páscoa com minha host family (momento owwwn)

See you